Zonas erógenas: aquelas zonas que fazem o bem

Zonas erógenas: aquelas zonas que fazem o bem

Zonas erógenas: aquelas zonas que fazem o bem

Uma zona erógena concentra um grande número de sensores sensoriais, tanto que o simples fato de tocá-la causa intensa excitação sexual. As zonas erógenas são iguais para todos? Como estimular esses gatilhos de prazer para levar ao orgasmo? Concentre-se na zona erógena em mulheres e homens.

Zona erógena: definição e mapeamento

É habitual distinguir 3 tipos de zonas erógenas, de acordo com seu potencial erótico.

Zona erógena primária: gatilhos do orgasmo

As zonas erógenas primárias são aquelas cuja estimulação permite que o homem ou a mulher conduzam ao orgasmo.

É, portanto, para as mulheres as seguintes áreas:

  • Clitóris: acariciar o clitóris com movimentos circulares pode causar o chamado orgasmo do clitóris.
  • A vagina: o orgasmo vaginal é atingido quando o ponto G é estimulado.

Nos homens, a zona erógena primária está localizada no nível do pênis. O orgasmo masculino é alcançado após fricções sucessivas do pênis por masturbação ou penetração. A próstata, relativamente menos envolvida, é, no entanto, uma das principais zonas erógenas do homem e sua estimulação proporciona um prazer muito intenso.

Órgãos sexuais, zonas erógenas secundárias.

Sua estimulação exclusiva geralmente não leva ao orgasmo, mas para acariciar as zonas erógenas secundárias durante as preliminares, o ato sexual torna possível aumentar o desejo e aumentar o prazer em dez vezes. Os órgãos sexuais dos amantes incluem zonas erógenas secundárias: seios, púbis e ânus em mulheres, testículos e ânus em homens.

Zonas erógenas em potencial: descobrindo o outro

Mais erótica que sexual, a zona erógena potencial é uma parte do corpo sem nenhuma conotação sexual. O lóbulo da orelha, dedos dos pés, pescoço ou até a parte de trás do joelho, estimulados da maneira correta, pode ser uma fonte eficaz de excitação para o parceiro, a fim de fazê-lo querer sexo. 

Zona erógena: homens e mulheres são iguais?

Quando se trata de desejo e prazer sexual, nem todos os indivíduos são iguais. Se a maioria atinge o orgasmo estimulando suas zonas erógenas primárias – clitóris e vagina para mulheres, pênis para homens – nem todos estão inclinados à excitação e prazer quando seu parceiro acaricia zonas erógenas secundárias . Assim, alguns amantes se recusam categoricamente a ser tocados no nível do ânus, por exemplo: geralmente é um fator psicológico que bloqueia, mas o resultado é o mesmo; o ânus não pode ser considerado uma zona erógena nessas condições. . Algumas mulheres, da mesma forma, são complexadas por seus seios: as carícias dos seios não são uma fonte de prazer ou excitação sexual.

A zona erógena potencial também difere de acordo com os indivíduos: se algumas mulheres são muito sensíveis às mordidas de seus parceiros no nível dos lóbulos das orelhas, outras sentem mais excitação quando o amante acaricia as coxas. Cabe ao casal explorar zonas erógenas mútuas para alcançar um prazer intenso. 

Explore as zonas erógenas do parceiro para um prazer dez vezes maior

Para um orgasmo, estimular o desejo, aumentar a excitação ou aumentar o prazer, as zonas erógenas são essenciais para o prazer sexual intenso. Saber explorá-los é essencial.

Descubra a zona erógena favorita do seu parceiro

Para saber para onde ir, é importante conhecer as áreas mais sensíveis do seu amante. Se a maioria das pessoas compartilha zonas de prazer comuns, uma zona erógena pode ser particularmente fonte de prazer para um e inaceitável para o outro. Para ir direto ao ponto, os parceiros podem se comunicar e trocar seus sentimentos.

Guie outras pessoas para uma estimulação eficaz

Uma vez mapeada a zona erógena, resta saber como estimulá-la. Mastigar, massagear, tocar ou lamber, todas as partes do corpo não se prestam aos mesmos gestos. Durante as preliminares e durante o ato, o parceiro pode guiar o outro para alcançar o orgasmo de forma rápida e confiante. 

Fonte: Zyndrox